quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Capítulo 10 - Windenburg

Alguns meses após o meu aniversário, o Papi recebeu uma promoção no trabalho e foi transferido para Windenburg. 
Eu achei ótimo!!! Willow Creek era bonitinha, mas não tinha nada para se fazer, eu já estava cansada daquela monotonia e estava ansiosa para conhecer a nova cidade. 




 Chegamos a Windenburg ao anoitecer.
- Vamos queridos! - chamou vovó empolgada - Venham conhecer a casinha linda que aluguei para nós!!




- Que é isso Papi? É aqui, nesse fim de mundo, que vamos morar??? - eu não acreditava no que meus olhos viam, a casa ficava no meio do mato.
- Ei, calma Dona Meg!!! Sua avó se ofereceu para encontrar uma casa para nós, não comece a me irritar! 
- Caramba Papi, você disse que aqui teria mais trabalho. Vai fazer oque? Vai ser guarda florestal por acaso? - afff, eu queria morrer 
- Pois saiba que aqui existem muitas casas noturnas, e sabe como é, esses lugares sempre precisam de segurança. Você queria que eu passasse a vida em Willow Greek investigando quem virou a lata de lixo? 




Vovó preparou nosso primeiro jantar na casa nova. Casa nova? Eu disse Casa Nova???
- Vovis "lindadomeucoração" - falei delicadamente - como encontrou essa casa velha no meio do nada para nos escondermos?
- Ah querida - respondeu a fofa - você tem muito que aprender sobre arquitetura. E quem disse que estamos escondidas? Sabe de nada inocente! Amanhã eu vou levá-la para conhecer esse paraíso! hahaha
Uma coisa sobre vovó devo admitir; ela sabia ser irônica como ninguém!




A primeira coisa que conheci daquela cidade, foi a Lua.
Tá, era linda, e dai?




Outra coisa que gostei, foi do "meu canto". Era antiguinho, mas tinha janela para rua por onde eu poderia apreciar o NADA. o.O




Ops! Um loirinho bonitinho no meio do nada
Mas o que estaria ele fazendo naquele lugar?




Então, observando melhor da minha janela, pude ver algo que parecia ser um bar. O loirinho bonitinho devia estar vindo de lá. 




Me troquei e fui conferir. Eu não conseguiria dormir sem saber se havia vida, além de pássaros, naquele fim de mundo. 




Uau! Era mesmo um bar! No meio do NADA havia um BAR!
Mas, que estranho... só mulheres? Será que era um Clube das Mulheres com homens seminus dançando? 
Observei um pouco, tomei um suco e então, a garota do bar me explicou que sexta feira era A Noite das Mulheres. Tinha também a noite do solteiros, a noite dos cavaleiros, noite dos aliens...era um bar temático. 




Sei não, viu...  Se era a noite das mulheres, o que estaria fazendo aquele indivíduo sentado a uma mesa perto da porta? Lugarzinho estranho....é melhor voltar para casa antes que o papai e a vovó percebam que sai. 




Quando cheguei em casa a vovó me aguardava. Ai Ai, vou levar bronca!
- Por onde você andou, menina? Você ainda é uma criança, não tem idade para sair sozinha à noite, não acha?
- Fui respirar o tal do ar puro que vocês tanto falaram. No caminho encontrei um pato, batemos um papinho e eu me esqueci do horário. - Ainda ontem, eu era uma criança e ela me chamava de mocinha, agora sou uma mocinha e ela me chama de criança. Vai entender!




No dia seguinte, papai foi trabalhar e vovó me levou para conhecer a cidade conforme havia prometido.



Vovó estava saltitante como uma criança em um parque de diversão.




- Veja Meg, que lugar lindo! Olhe para esses campos, esses lagos e cachoeiras!




- Olha só, meu amor, que lugar lindo, não acha? 
- Sim vovis, é lindo, mas....é tão, tão verde.... - choraminguei para tentar alcançar sua sanidade - se morarmos aqui por muito tempo vou ficar velha, gorda e solitária. Não conhecerei pessoas, não me apaixonarei e não lhe darei bisnetos! - pronto, bisnetos foi meu golpe fatal
- Ahahaha  se eu não te conhecesse.... Eu sei do que você está falando, você quer agito. Pois vamos lá, vou lhe mostrar o quanto essa cidade pode ser interessante. 




Assim, deixamos a área rural e fomos ao centro da cidade. Todo aquele verde deu lugar ao azul. Ah eu amo azul! *.*




Vovó me levou ao clube e não resistiu, se jogou na pista de dança.




Incrível! Minha primeira balada foi na companhia da minha avó. Mas, fazer o que, era o que tínhamos para aquele dia.




O centro da cidade me deixou animada e fiz amizade com uma garota da minha idade.
- Deixa comigo Meg, vou te enturmar com a minha galera. Juntas vamos rodar essa cidade! - tá ai, gostei dela.







4 comentários:

  1. Sua vovô é muito alegre e divertida. A música envolveu ela totalmente. rsrsrsrsrsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela é mesmo muito engraçada, adoro jogar com ela! =)

      Excluir
  2. Sandra, eu sigo teu blog e as vezes não vejo teus novos capítulos em meus feeds. Talvez seja por causa dos benditos blogs que sigo e postam muita coisa como o MS4B e o Best Daily Sims 4. LOL

    Mas enfim... adorei esse capítulo. Eu achei que seria uma cidade "calma" para a Meg, hahaha, mas pelo o que vi há uma "zona de agito" para vocês jovem. E sua vó não deixa a alma jovem dela morrer, né? hahaha, certa é ela.
    Ah, outra coisa: Pessoas mais velhas costumam dizer mocinho(a) quando somos crianças e quando somos mocinhos(as), eles nos chamam de crianças. Hahahaha

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Vó é muito louca!!! Ela acorda liga o som e começa a dançar, é mais animado jogar com ela que com a Meg! kkkkkk
      Beijos!

      Excluir